There is always more then meets the eye!

03
Abr 05

 Tu tinhas a vontade e Eu tinha o veículo que nos levava. Juntos fizemos e percorremos caminhos tantas vezes que os algarismos não contam… Olhámos a lua e caminhamos na areia até a gastar… construindo trilhas nunca inventadas.

Hoje estou aqui, a ver-te fechado num pedaço de madeira sem saber que foi feito de ti para desistires assim: Estúpido animal que me abandonaste!

Aperto os braços que tenho cruzados sobre o casaco preto que a tua irmã me emprestou e tento encontrar um indicio de que vou acordar me breve e tu estarás à distância de um telefonema, um e-mail, um bip... qualquer coisa!

Deixaste-me aqui, nem a minha teimosia te impediu de desistires da vida e abraçares o vazio. Decidiste embarcar neste caminho sem mim apesar de dizeres sempre que sou tão teimosa que impediria a morte de levar aqueles que desejo ter por perto mas, assim que virei as costas por minutos chamaste-la e ninguém conseguiu convence-la de que o teu lugar era aqui. Tive vontade de te retirar desse ridículo invólucro de madeira e zangar-me contigo! Gritar-te ao ouvido ralhando-te como se fosses um menino travesso a quem daria um castigo! Via toda a gente que rodeava a tua última morada terrestre e perguntei-me se estarias a ver-nos.

O céu estava carregado de nuvens, pesava-me mais que o casaco da tua irmã! O ar estava húmido e carregado de uma essência adocicada das flores de todos aqueles mausoléus pesadões. Começou a chover, sentia-o na pele. Ninguém se moveu… mas que desaparecer estúpido o teu! Não o decidiste comigo por perto porquê?! Porquê quando não estava lá com a minha teimosia?! Sentia gotas mornas no rosto e relembrei-me das tua forma de mas limpares nas raras vezes que as vertia.

Sorri sem querer! Mas continuei a verte-las.

Onde estivesses estavas comigo… tonto lacrimoso! Combustível da minha loucura que partiu demasiado depressa. Odeio-te estás a ouvir? …queria-te aqui mais um tempinho! Foste embora porquê?!

E raio de pesadelo que não acaba, quero acordar numa cama toda transpirada e exaltada para te poder acordar e reclamar do subconsciente! Estúpido, invejoso que quiseste desbravar esse caminho sozinho…

As pessoas começaram a partir, deixando-nos sozinhos neste meu monólogo solitário cheio de nomes pouco simpáticos que esperava que te fizessem levantar e ralhar-me a impertinência e falta de tento na língua! Mas não adiantava, não te levantavas e eu… tive de me despedir de ti ali: no meio de uma tempestade com um casaco preto emprestado e uma das tuas orquídeas na mão.

 

E agora? Quem vai ensinar-me a saltar sem rede de segurança? Fiquei só com as recordações e caminhos, mais nada…

 

Ai estúpida anormal, só com as recordações e os caminhos? Achas pouco?! Estou sempre aqui teimosa impossível! (sorriso e piscar de olho)Espero por ti para desbravarmos este caminho!

publicado por crowe às 23:20
tags:

Abril 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14

17
19
20
21
23

24
25
26
27
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Porque sim!

subscrever feeds
links
as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO