There is always more then meets the eye!

09
Dez 06
A cozinha era enorme aos seus olhos de menina e os rituais misturavam-se com os cheiros, os sabores, o tilintar dos copos e talheres e o ocasional roçar de uma manga de lã nas bolas de vidro da árvore de Natal.A mesa tinha muitas cores! Os olhos abriram-se quando foram acesas as velas e começaram a desfilar para fora do forno a lenha tabuleiros repletos de iguarias. O rosto da avó vermelho de lume parecia esculpido esta noite, como se as rugas tivessem sido apagadas. O lenha ardia e as labaredas dançavam cada vez mais alto como fazendo corridas para chegar aos enchidos quase fumados. Nem comia de tão maravilhada! Uma mão de mãe paciente e sábia colocava-lhe no prato o bacalhau já sem espinhas e, com um afago nos caracóis que começavam a desvanecer, dizia-lhe que comesse devagarinho para ter espaço para a sobremesa à lareira. A mesa estava repleta de risos e cada vez mais vazia de comida e de vinhos. Os risos eram alegres, nervosos mas havia risos de miúdos e graúdos. Tantos risos que apagavam as lembranças de risos do Natal anterior. As mães deixaram-nos levantar a mesa e colocar as almofadas em cima de bancos de madeira junto à lareira e os pais preparavam idéias para os entreter até estarem todos a cair de sono. Naquele Natal nenhum menino falava de prendas enquanto se conversava e jogava à lareira. Naquele espaço, o tempo tinha parado e as televisões estavam apagadas. Os computadores escondidos e os brinquedos e os telemóveis desligados... O único indicio de evolução eram as pessoas e os seus sentimentos. Demonstrações de evolução que não necessitam de formulas matemáticas, electricas ou electrónicas... a evolução era o nutrir de sentimentos uns pelos outros! Naquela noite a menina foi a última a adormecer no colo do pai. A saia do seu vestido dançava nas suas pernas e as fitas do cabelo desprendiam-se. Aquele era o seu último Natal com a avó. Ela não sabia! Quando um graúdo a acordou para ir :”Xixi, cama!”Estendeu os braços ao pai e puxou o pescoço da mãe dizendo que queria que a avó lhe vestisse o pijama. Enquanto os outros miúdos abriam uma prenda antes de dormir a avó vestia-lhe o pijama “de menina”(a avó era muito ciosa nesses assuntos) e levou-a nos braços para que escolhesse-se um presente. Escolheu-o de olhos fechados e assim o abriu. Era um livro de histórias fantásticas de magias, príncipes e princesas. Os olhinhos brilhavam de alegria e sono. E quando a foram deitar dizia que queria que as princesas do livro tivessem o cabelo como o da avó. ... No Natal seguinte a cozinha parecia-lhe pequena e apesar dos risos e da comida e dos cheiros e de tudo adormeceu cedo e sem magia nos olhos. Foi deitar-se sozinha e em cima da almofada, na cama por abrir tinha um embrulho com uma trança prateada presa com laço de fita. Naquele Natal não tinha um pijama de menina, nem um livro de histórias de magia e fantasia mas tinha o cabelo perfeito de uma princesa...
publicado por crowe às 23:32
sinto-me: Que nem sei!

Um bonito conto de natal... adoro contos de natal :)

Beijos
PrincesaVirtual a 10 de Dezembro de 2006 às 16:20

belo conto nina, triste mas belo .. a vida é mesmo assim p vezes tira-nos akilo q mais gosta-mos :) bjs
Passo a 11 de Dezembro de 2006 às 15:57

Gosto de histórias assim, como esta. :-)

Bj doce
Sutra a 11 de Dezembro de 2006 às 23:19

Muito ''natalicio''... muito ternurento...

Beijos mil em tu :) e feliz Natal.
Lobaaaaaaaaaaaaaaaa a 12 de Dezembro de 2006 às 11:33

Belo conto de natal, carregado de nostalgia e pedaços de realidade. Gosto especialmente destes teus Posts em forma de conto...bom resto de semana!
Tacitus a 13 de Dezembro de 2006 às 15:03

Nesta época do ano chegamos a "sangrar" de saudade
Agarremo-nos às crianças do presente para estancar essa ferida.
Bjnhs Crowe e Bom Natal ;)
Vlad a 18 de Dezembro de 2006 às 15:09

Ora viva!

Hoje não venho comentar nem tão pouco ler. Deixo isso para outro dia, com todo o gosto.
Vim apenas fazer publicidade descarada e como já estou naquela fase em que faço tudo o que me apetece e todos me ignoram pois já estão habituados, então cá vai...
Começou a atribuição dos blogjobs do shakermaker.
Por isso, já pode confirmar se foi um dos contemplados com tão desprestigiante galardão.
Atenção: não tome isto como desconsideração. Afinal, isto é apenas uma brincadeira e se não fosse um visitante quase assíduo deste blog não viria aqui de todo.
Já agora, aproveito também para lhe desejar Boas Festas!

Um abraço...
shakermaker
http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 19 de Dezembro de 2006 às 11:56

Minha querida ave negra, como sempre, estes teus contos, enchem-me as medidas...lindo demais como só tu consegues...mil beijos nas asas, e abracinhos das penas, desejo-te um Natal repleto de Sentires e que o Ano que se aproxima, te traga todas as cores do Mundo! Gosto muito de ti Crowezinha.... :)
igara a 20 de Dezembro de 2006 às 11:01

Passei para te desejar um Feliz Natal :) beijos
PrincesaVirtual a 20 de Dezembro de 2006 às 16:42

Olá...
A correr que tenho tantos cantinhos para visitar, aqui deixo os meus votos e Boas Festas, Feliz Natal e Bom Ano Novo e o desejo que, no próximo ano, me continues a encantar com as tuas palavras...
A gente vê-se por aí...
homem de negro a 22 de Dezembro de 2006 às 16:44

Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Porque sim!

links
as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO