There is always more then meets the eye!

29
Dez 05

São 10hoom, marca o relógio de parede, mas poderiam ser outras horas ou outros minutos!


Nesta manhã de nevoeiro em que todos parecem apressar-se para apressar a vida, o sussurro preso na garganta, parece ganhar vida e por entre o lábio superior e a chávena de fumegante sai: “A vida não acaba mais depressa por andarem a correr atrás do tempo!”


Ninguém o ouviu…mas ele saiu, muito de mansinho! … Mas nem os ouvidos do senhor que partilha comigo o balcão parece perceber a língua do meu sussurro!


Inscrevi-me numa escola em que aprendi as línguas mais faladas, visitei os países, falei a língua deles, a do meu país e entenderam-me. Quando falei a minha fala, as minhas palavras o mudo ensurdeceu!


Comecei a brincar com a colher no líquido quente da minha chávena, fiz espirais e vácuos e senti-me o próprio líquido em espiral na enormidade de pessoas que enchiam o café e as ruas do outro lado do vidro.


Recomecei a beber o líquido que saia da chávena esfumegante!


No jornal matutino o horóscopo estava mais cinzento, as notícias mais negras e as fotos mais degradantes do que era habitual! Sai abandonando o jornal e dirigi-me para o metro!


Para não romper a monotonia a carruagem ia cheia de pessoas que pela manhã colocam a máscara do lobo mau. Novo sussuro preso na garganta… e desta vez nem com a mão sobre a boca ele ficou calado.


“ Quanto terei ainda percorrer para encontrar alguém que fale as minhas palavras!”


Ninguém pareceu perceber que o meu sussurro tinha escapado por entre os dedos da mão enluvada que queria prendê-lo! Só o mendigo, ébrio de bebidas destiladas, perfumado com cheira mal desde 1900,  pareceu ouvir-me! Com olhos amarelados olhou para mim. Saiu-me novo sussurro. Ninguém pareceu ouvir, ele voltou a olhar-me com olhos esbugalhados!


Alguém ouvia a minha voz! Alguém entendia as minhas palavras!


Sai do metro na minha paragem habitual e sorri-lhe com um: - Bom dia!


A que ele me respondeu numa das línguas estrangeiras que estudei. Sai da estação para o nevoeiro, vento frio a abarcar-me o corpo, ouvidos abertos para as palavras e vozes dos outros!


Se uma pessoa me ouvia eu poderia ouvir outras pessoas a falar as suas palavras e talvez elas pudessem ouvir-me e eu ouvi-las!


publicado por crowe às 19:23

Olá, Crowe... ainda não li bem esta pequena história, mas tudo indica que é boa.

Venho desejar-te um Ano de 2006 cheio de coisas boas.

Beijocas e inté.Espectro #999
(http://visoes.weblog.com.pt)
(mailto:amiljitsu@sapo.pt)
Anónimo a 11 de Janeiro de 2006 às 20:07

q raio eu ja tinha coment isto :s n é justo :s ... p vezes ouvimos o som dos pensamentos q cruzam conosco, p vezes sao os dos outros e p vezes sao os do nosso proprio coracao :)Passo
(http://www.versus.sapo.blogs.pt)
(mailto:passodianisto@hotmail.com)
Anónimo a 5 de Janeiro de 2006 às 20:59

Interessante....para uma princesa sem sono. Este conto é muito interessante. Ás vezes parce mesmo isso «um mundo de surdos mudos»... :) Mais uma vez um Feliz Ano beijos pluma(princesavirtual)
(http://www.princesavirtual.blogs.sapo.pt)
(mailto:plumacaprichosa@hotmail.com)
Anónimo a 31 de Dezembro de 2005 às 01:48

Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Porque sim!

links
as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO